Corrida de São Silvestre

Engraçado como as coisas mudam, quando morava no Rio, falava para todos: “Enquanto eu tiver sanidade, não farei a Corrida de São Silvestre”.

Sempre achei uma corrida cara e que não dava para fazer um bom tempo.

Agora, morando em São Paulo e há 1km da largada desta corrida, não poderia deixar de participar e sentir o que todos falam e também porque estou voltando de lesão, ou seja, não estou correndo nada, então não me preocuparia com tempo nenhum.

Descobri que é muito mais uma confraternização do que uma corrida, a corrida existe para os atletas de elite que largam lá na frente, mas para a grande massa dos mais de 50 mil participantes, sendo 30 mil pagantes nada mais é do que uma grande diversão.

Ainda mais ao lado dela, o motivo de eu ter me mudado para São Paulo, Thais, a mulher da minha vida, correr junto dela é ótimo, mudou minha percepção do que é correr por diversão.

 

As fotos abaixo são do Neto Leal do @acordapracorrer

As pessoas correm, caminham, trotam, param para tirar fotos ou até mesmo ir em algum bar aberto e tomar uma cerveja, porque o sol castiga, já que a largada é depois das 9 horas da manhã, um grande erro das corridas patrocinadas pela Globo e Yescom, mas isso é outro assunto.

Mas a prova não são apenas flores, a DesOrganização deixou a desejar, não tinha água suficiente para todos os participantes, no 10ºkm já estava no fim e na subida da Brigadeiro já não existia, como subir aquela avenida às 11h30 da manhã sem água? A inscrição não é barata, foram R$ 160,00 pagos para receber uma camisa, uma medalha, água nos postos de hidratação e um kit pós prova, que neste caso vinha uma barra de cereal e um torrone.

Se é só isso, pra que uma inscrição tão cara? Para barrar participantes? Isso não funciona, pelas fotos e vídeos era claro que havia mais pipoca do que inscritos e se a organização não mudar a forma como trata os inscritos, esse número só irá aumentar.

Minha sugestão é simples, baixa o custo da inscrição e pede para cada um levar sua própria hidratação, seja mochila ou garrafinha, assim ninguém corre o risco de passar mal por desidratação, que debaixo daquele sol quente, provavelmente aconteceu muito.

 

 

Written by Fábio Sardinha

Trabalha com design desde 1997, onde adquiriu conhecimento em diversas áreas deste segmento. Atualmente tem se dedicado aos esportes na busca por saúde e boa parte deste blog será sobre isso.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *